O que é crupe e qual é o tratamento? Dr. Risadinha responde

A crupe é uma doença viral que causa tosse rouca, rouquidão e falta de ar.

A crupe é uma doença que causa tosse, rouquidão e falta de ar. Esses sintomas ocorrem devido a uma infecção da laringe e da traqueia por um vírus. A laringe é uma parte da garganta por onde o ar entra antes de ir para os pulmões. Depois da laringe o ar vai para a traqueia, que é como um tubo, por onde o ar passa até chegar aos pulmões. Quando o vírus atinge a laringe, ela fica inchada, causando os sintomas. Apesar da crupe ser uma doença que se cura na maioria das vezes, mesmo sem tratamento, o inchaço da laringe pode impedir gravemente a entrada de ar para os pulmões, podendo, em raros casos, levar à morte. Geralmente, no início da doença, a pessoa começa a ter congestão nasal (nariz entupido) e coriza nasal (nariz escorrendo). Após 1 ou 2 dias, aparecem febre, rouquidão, tosse e o estridor, que é um barulho que aparece quando há falta de ar intensa devido a obstrução da laringe. A tosse da pessoa com crupe parece com a tosse dos cães, sendo chamada de tosse de cachorro. Os sintomas da crupe geralmente levam 7 dias para desaparecerem. Os principais sinais de gravidade da doença são pele arroxeada, agitação ou sonolência, cansaço e visualização das costelas e ruído quando a criança puxa o ar, devido à falta de ar intensa. O vírus que mais comumente causa crupe se chama parainfluenza, mas outros vírus, como o vírus sincicial respiratório, também podem causar a doença. A crupe é mais comum em crianças entre 6 e 36 meses de idade, sendo incomum em crianças acima dos 6 anos de idade. O outono e o inverno são os períodos do ano em que a doença mais aparece. Crianças que têm crupe muitas vezes no ano podem ter algum problema de saúde que facilita o aparecimento da doença, como alergiasrefluxo gastroesofágico, alterações na laringe, traqueia ou pulmões. A radiografia não é necessária para diagnosticar a crupe, mas pode ajudar a diferenciá-la de outras doenças, como a epiglotite. Exames de sangue também não são necessários para o diagnóstico da crupe.

No tratamento da crupe, podem ser usados medicamentos, inalação, oxigênio e intubação.

O tratamento da crupe depende da gravidade da doença. Criança com sintomas leves são tratadas apenas com o intuito de aliviar os sintomas. Usam-se, nesses casos, medicamentos para redução da febre e hidratação por via oral (ingestão de líquidos pela boca). Crianças com a forma grave de crupe devem ser avaliadas na emergência, onde são administrados medicamentos na forma de nebulização (inalação ou aerosol) e medicamentos anti-inflamatórios (corticosteroides) por boca ou por veia. Após melhora dos sintomas, a criança fica em observação por 3 a 4 horas. Geralmente, os sintomas melhoram em 30 minutos após a inalação. Quando os sintomas não melhoram, a criança deverá ficar internada, onde podem ser necessárias outras medidas para o tratamento, como o uso de máscara de oxigênio umidificado ou, em alguns casos, a intubação, que consiste na respiração através de um tubo fino de plástico que é introduzido na garganta do paciente. A intubação garante que haja a passagem de ar para os pulmões e que a laringe (parte da garganta por onde o ar entra para ir para os pulmões) não feche. Em uma pequena parte das crianças, os sintomas retornam após o tratamento na emergência. Os sintomas da crupe desaparecem, na maioria dos casos, em 3 dias, mas podem persistir por até 1 semana. Poucas crianças com crupe precisam ser internadas e raramente as crianças que são internadas necessitam de intubação.

Referência: UpToDate [Internet]. Croup: approach to management. Informação atualizada em: 2 de agosto de 2016. Disponível em: http://www.sibi.usp.br/. Acesso em: 7 jul. 2017.

Autor do resumo:  Nivaldo Sena da Silva
Revisores do resumo: Prof. Dr. Fabio Carmona, Profa. Dra. Maria Cristiane Barbosa Galvão

Tags:

Compartilhe

Editor: Benedito Carlos Maciel
Corpo Editorial: Margaret de Castro, Benedito Carlos Maciel, Ricardo de Carvalho Cavalli
Coordenação Executiva: Célia Bíscaro
Assessoria Técnica: Seção Técnica de Informática da FMRP-USP
Assessoria: Assessoria de Imprensa do HCFMRP-USP, Assessoria de Imprensa HEAB, Assessoria de Imprensa do Hemocentro RP e Documentação Científica da FMRP-USP
Jornal Eletrônico do Complexo Acadêmico de Saúde - FMRP-USP | HCFMRP | FAEPA
2012 - Todos os Direitos Reservados - Fale Conosco