Estudo clínico testa aplicativo para prever níveis de açúcar no sangue

Criação do aplicativo tem apoio de estudo feito com diabéticos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

Um aplicativo para telefones celulares capaz de prever os níveis futuros de açúcar no sangue (glicemia) é desenvolvido pela startup GlucoGear, em parceria com a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. Para auxiliar a empresa na criação do aplicativo, a FMRP realiza um estudo clínico com portadores de diabete no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCRP), acompanhando os níveis de glicemia e a influência exercida pela alimentação e a atividade física. O app, que deverá estar disponível ao público no final do ano que vem, ajudará a prevenir complicações como excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia) em diabéticos.

A GlucoGear faz parte do programa de aceleração da Sevna Startups, mantido pelo Instituto Sevna no Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto. “O objetivo é entender a variabilidade glicêmica, principalmente o quanto os alimentos ricos em proteínas, gorduras e carboidratos, além da atividade física, influenciam nessa variação”, afirma a professora Maria Cristina Foss de Freitas, do Departamento de Clínica Médica da FMRP e coordenadora do Ambulatório de Diabetes do HCRP, que atua como consultora do projeto. “A pesquisa busca fornecer recursos para que a startup desenvolva um software capaz de fazer a predição da glicemia”.

 


Professora da FMRP-USP, Maria Cristina Foss de Freitas, e Yuri Matsumoto, fundador e CEO da GlucoGear – Foto: Divulgação / Assessoria de Comunicação do Instituto Sevna

 

No Ambulatório de Diabetes do HCRP são acompanhados 40 portadores de diabete, 20 com o tipo 1 e 20 com o tipo 2. “Durante um mês, por meio de dispositivos colocados no corpo dos pacientes, são monitoradas continuamente a glicemia e a atividade física”, afirma Maria Cristina. Em um aplicativo desenvolvido pela startup, os participantes do estudo fazem o registro da alimentação e das medicações. “Essas informações ajudam a pessoa a ter um controle da evolução da glicemia, das condições alimentares e ajudar na decisão da dose a ser aplicada de insulina, no caso dos portadores de diabete tipo 1”.

Os dados obtidos no estudo clínico servem de base para a equipe multidisciplinar da GlucoGear desenvolver um algoritmo (formulas matemáticas) que possa prever a glicemia. “O algoritmo utiliza recursos de inteligência artificial e modelos matemáticos. A ideia é que ele seja usado para calcular a glicemia futura, ou seja, em que nível estará dentro de algumas horas, a princípio”, destaca a professora. “Desse modo, o paciente poderá prevenir tanto a queda quanto uma elevação indesejável, evitando complicações agudas (hipoglicemia e hiperglicemia).”

 


GlucoGear foi uma das startups semifinalistas na competição global Diabetes Innovation Challenge – Foto: Divugação / Assessoria de Comunicação do Instituto Sevna

 Aplicativo

Os responsáveis pelo projeto pretendem integrar a plataforma do aplicativo com sensores de glicemia e smartwatches. Também será criado um portal de acesso para profissionais e pacientes com relatório médico pronto para análise em consulta, facilitando e agilizando o tempo de atendimento do médico.

“Pretendemos disponibilizar o aplicativo e o portal no final de 2019 e partir para uma nova fase de validação científica, via estudo clínico de avaliação de eficácia e segurança, bem como uma avaliação de economia em saúde que a plataforma pode gerar”, afirma Yuri Matsumoto, fundador e CEO da GlucoGear. “Para cumprir tal meta, no próximo ano terá início uma nova rodada de captação de investimento para financiar os novos desenvolvimentos e objetivos.”

Sediada em São Paulo, a GlucoGear é acelerada pelo Sevna Startups, em Ribeirão Preto. O Sevna Startups é um programa de aceleração de startups mantido pelo Instituto Sevna e integra o Global Accelerator Network (GAN). Em operação desde 2015, o Sevna Startup promoveu cinco ciclos de aceleração completos e iniciou o sexto programa, do qual a GlucoGear faz parte, no último dia 8 de outubro. O Sevna possui um portfólio de 27 startups, com valor estimado em R$ 56 milhões.

A sede do Instituto Sevna está localizado no Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto (SP), responsável por atrair e reter empresas tecnológicas, em especial nas áreas de saúde, biotecnologia, tecnologia da informação e bioenergia. O parque é mantido por um convênio entre a USP, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto e Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo.

Mais informações: (16) 3931-1313; e-mails daniel@sejaopa.com.br, com Daniel Navarro, e jac@sejaopa.com.br, com Jacqueline Pioli, da OPA Assessoria em Comunicação

Referência: JOrnal da USP - Com informações da Assessoria de Comunicação do Instituto Sevna - Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Compartilhe

Editor: Benedito Carlos Maciel
Corpo Editorial: Margaret de Castro, Benedito Carlos Maciel, Ricardo de Carvalho Cavalli
Coordenação Executiva: Célia Bíscaro
Assessoria Técnica: Seção Técnica de Informática da FMRP-USP
Assessoria: Assessoria de Imprensa do HCFMRP-USP, Assessoria de Imprensa HEAB, Assessoria de Imprensa do Hemocentro RP e Documentação Científica da FMRP-USP
Jornal Eletrônico do Complexo Acadêmico de Saúde - FMRP-USP | HCFMRP | FAEPA
2012 - Todos os Direitos Reservados - Fale Conosco