\ Univ… > Jorn… == > Dest… > Banc…

Bancos de olhos públicos têm o desafio de identificar doadores em meio à pandemia

Com equipe treinada, os bancos mediam doação de córneas com as famílias que perderam entes queridos e entram em contato com pacientes da fila única de transplantes.

o professor Eduardo Rocha fala sobre os bancos de olhos e seus processos de transplantes. Para realizar a doação de córneas é preciso que o indivíduo, em vida, tenha manifestado seu desejo de doar, e que apresente “razoável boa saúde ocular”, informa o professor.

Identificar doadores em meio à pandemia, o que inclui a retirada do órgão, avaliação da saúde física e ocular, preparação do tecido e sua entrega é uma tarefa complexa. Rocha explica que, entre os anos 60 e 70 esse trabalho foi delegado aos bancos de olhos.

No início, instituições filantrópicas e clubes de serviço se organizaram para prestar serviço e apoiar as instituições de saúde responsáveis por realizar os transplantes de córneas. No Brasil, a partir da institucionalização e a organização do Sistema Único de Saúde (SUS), explica o professor, a captação e a distribuição de tecidos para serviços públicos e privados passou a ser feita por bancos de olhos públicos.

Com pessoas treinadas para abordar as famílias que perderam seus entes queridos, e descobrir se o indivíduo havia manifestado desejo de ser doador, os bancos de olhos também entram em contato com os pacientes que estão na fila única de transplantes.

Ouça abaixo, na íntegra, a coluna Fique de Olho, com o professor Eduardo Rocha.

Referência: Jornal da USP – Fique de Olho