\ Univ… > Jorn… == > Dest… > "Des…

"Desanuviando" o ambulatório

Um dos grandes problemas defrontados pelo HCFMRP nos dias de hoje é a grande pletora de pacientes e outras pessoas circulando pelos ambulatórios e adjacências ao longo do dia. São mais de três mil consultas diárias e milhares de outros pacientes que vêm para procedimentos como a coleta de sangue, exames complementares, entrega de medicamentos pela Farmácia de Alto Custo e de antirretrovirais, hospital-dia, entre outros. Muitos pacientes vêm acompanhados de familiares, amigos ou cuidadores, o que aumenta, em muito, o número de pessoas que acorrem ao HCFMRP diariamente.
A situação piora porque os pacientes são trazidos pelos ônibus, vans e ambulâncias de outras cidades logo pela manhã e somente são recolhidos, de volta, ao final da tarde. Esta longa permanência dos pacientes e acompanhantes ao longo do dia nas dependências internas e externas do hospital torna o espaço físico existente insuficiente para dar-lhes uma acolhida à altura de um sistema de atendimento humanizado. Os abrigos e lanchonetes disponibilizados pelo HCFMRP estão sempre lotados. Da mesma forma, as cadeiras dos ambulatórios e sanitários não comportam o tamanho da demanda.
Por estas razões, a administração traçou como estratégia para amenizar esta superlotação do ambulatório e adjacências, a descentralização de alguns serviços ali existentes, como a sala de coleta de sangue para exames laboratoriais. São cerca de 600 pacientes por dia que aqui vêm para a coleta de sangue e/ou entrega de algum material biológico. Em parceria com as prefeituras, desde o início deste ano iniciamos a coleta destes materiais nas cidades de Batatais e Serrana, com a criação de posto de atendimento naquelas cidades, sob a responsabilidade do HCFMRP. Há a previsão de abertura de um terceiro posto em Sertãozinho. Assim, os pacientes provenientes daquelas cidades não precisam mais se deslocar para Ribeirão Preto simplesmente para a coleta de sangue.
Também, em Ribeirão Preto, inauguramos um posto de coleta em espaço convenientemente adaptado na antiga creche da U.E., na Rua 7 de Setembro e há a programação de abertura de mais um posto de coleta no Centro de Saúde Escola na Rua Cuiabá, bairro do Sumarezinho.
Vale ressaltar, que alguns exames mais sofisticados que exigem detalhes especiais para a coleta ainda continuarão a ser coletados no HCFMRP, independentemente da origem dos pacientes.
Pretende-se com estas medidas reduzir significativamente o fluxo evitável de pacientes e acompanhantes aos ambulatórios do hospital. Interessante notar que em um primeiro momento há certa resistência dos pacientes em aceitar a coleta fora do ambiente do HCFMRP, mas acreditamos que a confiança deles em relação aos postos de coleta será adquirida progressivamente.
Outra medida importante foi a mudança da Farmácia de Dispensação de Medicamentos de Alto Custo da DRS 13 para o centro da cidade. Essa farmácia ocupava um espaço importante no ambulatório do HCFMRP e atuava em condições precárias para o atendimento de cerca de 400 a 500 pacientes/dia. As novas instalações da farmácia de alto custo estão localizadas em casa de propriedade da FAEPA ao lado da Unidade de Emergência, na Rua Marechal Deodoro, em condições mais adequadas e de fácil acesso aos usuários.
Outras medidas estão sendo tomadas para esta descentralização: 1) Os ambulatórios de otorrino e fonoaudiologia deverão se transferir para o prédio da CCI do HC Campus a ser reformado (obra em licitação); 2) Os ambulatórios de ortopedia deverão ser transferidos para o Centro de Reabilitação que será ampliado (obra também em licitação); 3) Clínica Civil receberá novas instalações em obra a ser construída pela Faepa (em licitação); 4) Os ambulatórios de Pediatria serão todos transferidos para o HC Criança. Desta forma, os espaços a serem liberados por estas especialidades que se transferirão poderão permitir à administração do HCFMRP, a readequação das áreas para melhoria da qualidade dos outros serviços existentes no prédio dos ambulatórios, sempre visando melhorar as condições de atendimento para tornar o HCFMRP um hospital cada vez mais acolhedor e humanizado.