\ Univ… > Jorn… == > Dest… > O Se…

O Serviço de Nutrição da Unidade de Emergência do HCFMRP-USP funciona 24 horas por dia

O Serviço de Nutrição da Unidade de Emergência do HCFMRP-USP funciona durante as 24 horas do dia, onde são produzidas cerca de 20 a 24 mil refeições/mês, 290 mil refeições/ano, fornecidas a pacientes, acompanhantes, médicos, parte dos funcionários do Hospital e aos terceirizados que têm jornada de 12 horas.

Os números da UE são elevados: por mês são consumidos 1.200 quilos de arroz cru, 440 quilos de feijão cru, de 4 a 5 mil quilos de carne, 3.800 litros de leite e 2.100 latas de fórmulas lácteas e enterais. Esses são apenas alguns dos itens que são utilizados pelo Setor de Nutrição e Dietética, conforme informações de Thereza Cristina Pereira Lunardi, responsável técnica pelo serviço.

Para manter este serviço funcionando, contamos com 110 funcionários que trabalham em três turnos.

Nutricionistas/Agente Técnico de Saúde = 10 (sendo 1 a Responsável Técnica)

Oficial Administrativo/Escriturária = 4

Agente de Saúde/Auxiliar Nutricionista = 9

Auxiliar de Serviços = 19

Auxiliar de Saúde = 34

Copeiros = 19

Chefe de Seção = 1

Cozinheiros = 10

Encarregados = 3

A preparação dos alimentos inicia-se entre 12 e 24 horas antes de serem servidos. “O pré-preparo do almoço começa no dia anterior com a higienização, subdivisão e temperos dos alimentos. Às 7 horas, começa o processo de cocção (cozimento). Às 6h30, servimos o desjejum, às 10 horas, suco ou fruta para pediatria. Das 11h30 até às 14h30, o almoço e às 15h, lanche da tarde. O jantar é servido às 18h e às 20h30. A ceia das 00h00 a 01h30”, explica Thereza.

Há duas áreas que compõem o Serviço de Nutrição (UAN): Setor de Produção de Refeições e o Lactário, local para o preparo de fórmulas lácteas, dietas enterais, água espessadas para dieta para paciente com disfagia alimentar e suplementos nutricionais. Toda alimentação é balanceada, respeitando às necessidades dos pacientes e ao manual de dietoterapia do Hospital das Clínicas.

Além disso, contamos com nutricionistas que se dedicam à nutrição clínica que desenvolvem interface com a Equipe Multiprofissional, estão inseridos em linhas de cuidados e em grupos de trabalho como o AVC, Alta Segura, Grupo de Multiprofissional para acompanhantes e/ou pacientes em uso de dieta enteral (EMODE), Educação Permanente, Acolhimento da Sala de Urgência, Enfermarias, entre outros. São aproximadamente três mil atendimentos clínicos/ano, que otimizam o processo de alta hospitalar e contribuem para a melhoria na assistência em saúde.

Mais do que alimento – “Nós colaboradores nos empoderamos do papel de protagonistas do SUS e também nos sensibilizamos com a realidade social observada em nosso cotidiano”, afirma Thereza. “Por exemplo, no Dia das Crianças, os funcionários, por demanda espontânea, compraram presentes para o Setor de Pediatria e desenvolveram preparações de acordo com as restrições alimentares, no caso pirulitos de chocolate diet e normal, e a Instituição aprovou a aquisição de insumos não padronizados. Algo simples, mas essas ações revigoram os funcionários porque eles se sentem autores do processo de trabalho”, garante.

Outro exemplo, conta Thereza, aconteceu com uma paciente que estava internada durante o Natal e pediu uma ceia. Fizemos e servimos no quarto dela à noite e os funcionários da enfermaria participaram daquela união. Uma data significativa e emotiva, pois a paciente era cozinheira e adorava preparar refeições para a sua família. A oferta de refeições não possui a finalidade exclusiva de nutrir o corpo, remete às experiências vividas, memórias afetivas e experiência social. Mesmo em um ambiente hospitalar, dentro da viabilidade, o ato da alimentação tem que ser prazeroso e muito mais que uma simples ingestão alimentar”, finaliza Thereza.

Referência: Assessoria de Comunicação HCFMRP-USP