\ Univ… > Jorn… == > Dest… > Unid…

Unidade de Emergência investe em modernização

As reformas em andamento e as que estão previstas para este primeiro semestre mais a modernização de equipamentos planejadas pela Coordenadoria da Unidade de Emergência terão investimentos de  cerca de R$ 10,2 milhões. Os quatro elevadores e o CTI Pediátrico estão sendo financiados com recursos próprios do HCFMRP-USP e os outros itens pelo Projeto Shell (ver box): painel redundante, reforma e ampliação da área da subestação de energia elétrica, instalação de novos grupos de geradores e modernização das cabines elétricas da subestação, reforma da área para instalação do novo tomógrafo, reforma da Unidade de Queimados e troca dos compressores para a central de ar comprimido. 

CTI Pediátrico 

O CTI Pediátrico recebeu investimento de R$ 151 mil para obras e mobiliário. A reforma começou no dia 15/01 com previsão para término em abril. Localizado no 1º andar do bloco B, o CTI Pediátrico “passa por uma reforma que contempla mudança do quarto do isolamento com sistema de tratamento de ar com filtragem absoluta e pressão positiva, substituição do piso, substituição de bate-macas, mobiliário, substituição das portas de madeira e substituição dos circuitos elétricos com individualização dos leitos, e pintura em geral, conforme exigências e recomendações da Vigilância Sanitária”, afirma Gilmar Júlio, engenheiro e supervisor da Divisão de Engenharia da Unidade de Emergência. 

Elevadores 

Dentre estas obras, uma das mais importantes, que irá otimizar os fluxos do Hospital, é a reforma e modernização de quatro de seus cinco elevadores. Dois deles já foram reformados e liberados para uso e os outros dois deverão ser entregues no início de março. Foram investidos R$ 1,050 milhão. “Vamos aproveitar a reforma e redefinir novos fluxos para os elevadores (social e serviço) com a finalidade de agilizar a assistência e diminuir riscos de contaminação”, afirmou o diretor administrativo Ivan Silva. 

Painel elétrico  

Um ponto crítico em termos de disponibilização de energia no Hospital está sendo corrigido com a instalação de um novo painel elétrico de redundância. Esta instalação está em andamento com valor de R$ 499 mil. Localizado no porão do bloco B, o painel redundante possibilitará que se realizem manutenções no painel alimentador existente no local, sem a necessidade de desligamento por longo período da energia de todo o bloco B. Isso diminuirá os transtornos causados, quando existe necessidade de alguma intervenção no painel existente.  

Subestação 

A UE com a ampliação das atividades ao longo dos anos e com a incorporação de novas tecnologias aumentou o consumo de energia elétrica e passou a conviver diariamente com riscos de a subestação atual não atender a demanda. Além de não existir atualmente sobras para ampliações que necessitem aumento do consumo de energia elétrica. A reforma da área da subestação de energia elétrica que irá corrigir este problema foi dividida em duas etapas.  

A primeira corresponde à reforma da área física e teve início em 19/11/2018 e o prazo para conclusão é maio de 2019. Seu custo será de quase R$ R$ 280 mil. “Localizada no pavimento térreo do bloco C, a área da subestação está sendo ampliada e adequada para poder receber os novos grupos de geradores de energia elétrica além da modernização das cabines elétricas, o que trará uma segurança ao Hospital em termos de fornecimento de energia elétrica”, explica Gilmar. 

Na segunda etapa da reforma, serão instalados novos grupos de geradores de energia elétrica, ampliando a capacidade de carga, que entram em funcionamento quando há interrupções de energia pela concessionária CPFL, e a substituição e modernização das cabines elétricas, visto que os equipamentos existentes são da década de 70 e estão obsoletos, dificultando as manutenções e a reposição de peças sobressalentes, impossibilitando o aumento de carga e/ou ampliações de qualquer caráter na Unidade de Emergência. Este investimento será de aproximadamente R$ 2,5 milhões.  

Novo Tomógrafo

Outra reforma é a da área que receberá o novo tomógrafo. O valor estimado do investimento da reforma da área física é de R$ 360 mil. O novo tomógrafo irá ampliar as possibilidades de diagnóstico, pois possui 160 canais de reconstrução de imagens, o que certamente trará um novo patamar de possibilidades de diagnóstico para as equipes médicas que atuam no Hospital, agilizando diagnósticos, tratamentos e fluxos assistenciais. “Quando um equipamento deste porte é incorporado no Hospital sempre existe uma mudança no patamar assistencial e um ganho importante para os usuários”, explica o diretor de Atenção à Saúde, José Paulo Pintyá.  

O equipamento fabricado pela Canon, no Japão, custou R$ 1.720 milhões e entrará em funcionamento em julho. “Mais moderno, o aparelho traz avanços tecnológicos com um panorama mais completo, além de realizar o exame em menos tempo. São menos de dois minutos contra cerca de 10 minutos do aparelho antigo”, explica Wilker Beicker, coordenador do Centro de Engenharia Clínica. 

Compressores 

Outro investimento estimado de R$ 85 mil será para a instalação de novos compressores na central de ar comprimido. 

Unidade de Queimados 

Com necessidade de reforma e modernização há bastante tempo, a Unidade de Queimados irá receber investimentos estimados em cerca R$ 2 milhões de reais (leia box). Localizada no 4º andar, o local terá sua atual estrutura física de 10 leitos reformada e modernizada existindo na nova conformação a possibilidade de ampliação para até 18 leitos. 

O atendimento ambulatorial continuará no local, mas com um novo fluxo de usuários que será adequado a normas sanitárias. A estrutura do local prevê dois consultórios médicos, uma sala de curativos, um consultório para atendimento da equipe multidisciplinar e uma sala para atendimento da Fisioterapia.  

Verba veio do TRT 15 

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-15) e o Ministério Público do Trabalho (MPT-15) destinaram quase R$ 9 milhões para o Hospital das Clínicas investir na reforma e compra de equipamentos para a Unidade de Queimados, na instalação de um novo tomógrafo e na modernização da infraestrutura elétrica da Unidade de Emergência.

A verba recebida fez parte do acordo de indenização de R$ 200 milhões que a Shell e a BASF  destinaram a instituições indicadas pelo MPT, entre elas, o HCFMRP-USP. As duas empresas foram processadas por negligência na proteção ao trabalhador e danos ambientais, no município de Paulínia.

Referência: Assessoria de Comunicação HCFMRP-USP